Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

Tratamento do câncer afeta a vida sexual? Especialista explica

Veja quais fatores podem afetar a perda do interesse e como adaptar a vida sexual durante o tratamento

24

Intimidade e sexualidade são fundamentais para o bem-estar e qualidade de vida do ser humano. Para quem recebe o diagnóstico do câncer, a vida sexual acaba sendo afetada assim como o psicológico e qualidade de vida por conta das diferentes terapias utilizadas.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

Durante o tratamento, é comum que homens e mulheres apresentem perda do interesse sexual. O fato é explicado por conta de alterações físicas fisiológicas, psicológicas e sociais, dificultando a relação sexual.

Fatores como alteração de peso, desequilíbrio hormonal, incontinência urinária e fecal, amputação do pênis, testículo, mamas, colorretal, além de náuseasvômitos, diarréiafadiga e alopecia podem levar a uma autoimagem negativa e gerar um desconforto inibindo a intimidade.

Alguns tipos de câncer e seus tratamentos são associados a alguma disfunção sexual, entre as mais comuns são: ausência ou inibição do desejo em homens e mulheres, dispareunia na mulher e disfunção erétil no homem.

De acordo estudo divulgado pela National Center for Biotechnology Information (NCBI), 50% a 64% das mulheres com câncer de mama apresentam dificuldade de excitação, desejo e lubrificação. Após dois anos de radioterapia para câncer cervical, 85% das mulheres se queixam de pouco ou nenhum interesse sexual devido a dor, explicada pelas alterações ocorridas pela falta de lubrificação e estenose vaginal. É comum também que durante a quimioterapia a mulher tenha os mesmos sintomas de uma menopausa precoce, tais como: ressecamento vaginal e interrupção do ciclo menstrual.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE 😉

Ainda de acordo com outra pesquisa também divulgada pelo periódico, nos homens a disfunção erétil acomete 75% dos pacientes tratados de câncer colorretal. Casos de câncer de próstata submetidos à prostatectomia radical, 60 a 90% referiam disfunção erétil e naqueles tratados com radioterapia para o tumor de próstata, 67% a 85% se queixaram do problema.

Algumas vezes esses efeitos são permanentes mesmo que o câncer esteja sob controle. O tratamento do câncer pode influenciar a ereção, pois interfere no equilíbrio hormonal, na inervação e na vascularização pélvica.

Durante a radioterapia pélvica a radiação danifica as artérias que levam sangue para o pênis, os tecidos internos cicatrizam e as paredes das artérias perdem elasticidade, comprometendo sua capacidade de expansão e impedindo maior fluxo sanguíneo, ambos fatores necessários para a ereção. Alguns homens conseguem recuperar a capacidade de ereção depois de aproximadamente seis meses, quanto mais jovem o paciente, mais fácil a recuperação.

Diante todos esses fatores, é importante o diálogo entre o casal para re-significar e adaptar sua vida sexual levando em conta o toque, o olhar, o cheiro, os beijos, as carícias, que são importantes ferramentas para explorar o corpo e ter prazer. Com informações do Minha Vida.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

UA-132776669-1