Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

Tornando-se uma pessoa mais amorosa

O amor é contagioso. Se dele esperamos o melhor, iremos extrair o melhor.

102

“Portanto, agora existem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. Porém a maior delas é o amor.” Sagradas Escrituras, primeira carta do apóstolo Paulo a igreja de Corinto (I Coríntios 13.13).

É preciso tempo para um fruto amadurecer. Nada amadurece de maneira instantânea. Se tentarmos amadurecer as frutas “na marra”, e assim o fazem, elas ficam com um gosto estranho, algo ruim. Além de escolher nossos pensamentos, também podemos escolher como reagir às circunstâncias da vida.

“AMOR é provavelmente a palavra mais mal compreendida do mundo” Rick Warren

É difícil dar ou receber algo quando nem mesmo compreendemos o que ele é. Parte do problema com relação a questão do amor é que passamos a usá-lo para uma porção de coisas: Amo minha família, amo meu trabalho, amo pizza, amo meu animal, amo meus amigos, amaria você se fizesse massagem em minhas costas, amaria… se fizesse meu prato predileto e por aí em diante. Temos utilizado a palavra AMOR de maneiras tão diferentes que ela praticamente perdeu seu significado.

É real o fato de que o amor produz sentimentos, porém, ele é muito mais do que isso. Paremos para pensar de que existem muitas interpretações populares e equivocadas a respeito dele. Pelo que escuto e analiso, a maior parte das pessoas pensam no amor somente como algum tipo de sentimento, falam dele como sendo o sexo, comparam-no como aquele friozinho no estômago, como um calafrio ou uma torrente de emoções. Não, o amor certamente é muito mais que isso.

O apóstolo Paulo ainda procurando explica-lo utiliza os seguintes argumentos: “Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá. O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece;” I Coríntios 13.3-8

“Insisto” em reforçar que é difícil dar ou receber algo quando nem mesmo o compreendemos. Fato é que ao longo dos anos, temos diluído o significado da palavra amor por excesso de uso.

Compreendo das tantas teses sobre a questão. Afinal de contas, amor acredito ser uma das expressões mais utilizadas em todo mundo. Agora o ideal é o entendimento e o andar rumo a praticidade do mesmo. E olha que nem sei se sou a melhor pessoa para falar sobre o tema. Porém nesta semana, por várias situações, me senti desafiado a fazer uma análise íntima e reflexiva sobre o praticá-lo. Minha conclusão, depois de algumas leituras é óbvio, é de que poderíamos resumir o amor em duas coisas: Creio que a primeira seria tratar-se da questão de ESCOLHA, ou seja, o amor é algo que podemos escolher. Então, se simplesmente for um sentimento não teríamos controle sobre ele.

Há, este é outro erro que nos coloca diante de tantas tragédias, o fato de achar que o amor é incontrolável. Quantos homicídios são atribuídos ao amor incontrolável? Quantas pessoas não acabam estagnando sua vida sob o argumento de que estão amando? Ou até mesmo o oposto para as ações de puro descaso sob alegações: “Não tenho culpa, simplesmente não o amo mais”.

O Mestre do Amor, Jesus o Cristo, ordenou (e tinha autoridade para isto) que nos amássemos uns aos outros. Então, segundo suas palavras, fica claro que o amor é algo controlável, suas palavras simplesmente indicam que temos controle sobre quem amamos ou não. Na história da minha vida escolhi amar diversas pessoas e infelizmente decidi não amar outras. Triste, porque somos desafiados a amar inclusive nossos inimigos e alertados sobre a facilidade de amar aqueles que nos amam.

“Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. ACIMA DE TUDO, PORÉM, REVISTAM-SE DO AMOR, QUE É O ELO PERFEITO.” Colossenses 3.13-14 – Observemos o termo “REVISTAM-SE”, pois ele indica que o amor é algo que podemos escolher e certamente possuímos a capacidade de ter controle sobre uma escolha!

Podemos dizer também que o AMOR é uma questão de CONDUTA, ou seja, é algo que fazemos, uma ação e novamente não um sentimento. Recorrendo novamente as Sagradas Escrituras encontraremos a seguinte expressão do apóstolo João: “…não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade.” I João 3.18. Interessante não! Isso porque com exagerada frequência amamos somente com palavras ou com a nossa boca e não com as nossas atitudes!!!

“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses”

Todos entendemos que amar não é uma tarefa fácil. Entendo também que neste texto estou compartilhando muito mais das Sagradas Escrituras do que em outros e isto em razão dela expor com tamanha importância e falar com tanta seriedade e propriedade sobre o tema em questão. O extraordinário é que através dela fica totalmente revelado que antes de amar os outros, devemos sentir e compreender o profundo amor de Deus por nós.

“…arraigados e alicerçados em amor, possam… compreender a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo conhecimento, …” Efésios 3.17-18. Que possamos aprofundar nossas raízes no solo do maravilhoso amor de Deus. “Amemo-nos uns aos outros, pois o amor procede de Deus. Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.” I João 4.19.

Para nos tornar uma pessoa mais amorosa é fundamental quebrar todas as barreiras e aprender a perdoar aqueles que nos ofenderam. Tarefa dificílima. “Não fiquem irritados uns com os outros e perdoem uns aos outros, caso alguém tenha alguma queixa contra outra pessoa. Assim como o Senhor perdoou vocês, perdoem uns aos outros.” Colossenses 3.13. É impossível amar quando o coração está dividido e a amargura sem dúvida alguma dividi um coração. Sei que muitos de nós até possuímos uma causa justa para nossa ira, agora pensemos nesta circunstância maravilhosa: o amor é capaz acalmar e serenar nosso coração!

Outro passo importante para nos tornar uma pessoa mais amorosa é desenvolver um pensar com ternura, ou seja, com uma porção de carinho. Pensar com ternura seria começar a nos preocupar com as outras pessoas. Um dos enormes problemas é que vivemos num tempo manipulado pelo egoísmo. A tragédia com o rompimento da barragem em Brumadinho é um exemplo disto, se não fosse o egoísmo humano somado a sua ganancia, poderia ter sido evitado esta irreparável catástrofe. Vamos abrir nossos corações para o fato de que é mais fácil compreender o outro quando nos colocamos no seu lugar. Vamos olhar para o nosso próximo além das falhas e ver suas necessidades, o amor pode nos tornar como resposta.

O amor é contagioso. Se dele esperamos o melhor, iremos extrair o melhor.

Pois o amor de verdade funciona, só precisamos trabalhar melhor nele. Não podemos em inércia, ou seja, sem nenhuma ação, ficar esperando-o brotar em nossos corações. Trabalhamos para ele existir!

“Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

UA-132776669-1