Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

Sorocaba: Biólogos coletam peixes com microplásticos na barriga

15
Na região de Sorocaba (SP), os biólogos já percorreram 30 quilômetros de rios e coletaram 17 espécies de peixes com microplásticos. Especialista diz que material pode conter poluentes, que acabam chegando até as pessoas através dos animais.

A sujeira nos rios tem preocupado os especialistas por conta da contaminação e até da mortandade dos animais aquáticos.

Na região de Sorocaba (SP), os biólogos já percorreram 30 quilômetros de rios e coletaram 17 espécies de peixes. No laboratório encontraram na barriga dos animais pedaços de plástico, a maioria com menos de cinco milímetros, são os chamados microplásticos.

“Nós acreditávamos que esse plástico acabava se degradando e o microplástico se concentrasse mais na foz dos rios e nos oceanos, o que não é bem o que acontece. A gente tem verificado que qualquer rio do Brasil possa ter uma grande concentração de microplástico e que isso está gerando uma preocupação muito grande dentro da comunidade científica”, explica o biólogo e pesquisador Webber Smith.

De acordo com o especialista, os microplásticos podem conter poluentes, que acabam chegando até as pessoas através dos animais.

“A chegada até a espécie humana pode ocorrer através da ingestão dos peixes ou de uma coisa que tem chamado atenção pelo microplástico estar distribuído em praticamente o ecossistema todo. Então, o consumo de água ou outra fonte de recurso pode ser uma porta de entrada para a espécie humana”, completa.

A sujeira dos rios também vai para o mar. Segundo as Nações Unidas, por ano, mais de oito milhões de toneladas de plástico chegam aos oceanos em todo o mundo. É como se, a cada minuto, a carga de um caminhão de lixo cheio de plástico fosse jogada na água.

“Essa época do ano, por exemplo, que é época de chuva e de grande consumo de presentes, embalagens, enfeites de Natal, é a pior época para os rios, porque tudo isso que foi consumido em um curto espaço de tempo vai ser descartado no ambiente de forma irregular, vai parar nos rios e vai ficar muito tempo nos rios. Quem é que vem retirar esse material depois?”, ressalta Malu Ribeiro, da ONG SOS Mata Atlântica.

Rio alterado

A água do maior rio de São Paulo mudou de cor. Em Sabino (SP), uma mancha verde se espalhou por um trecho do Tietê e matou mais de uma tonelada de peixes.

A suspeita dos ambientalistas é de que o esgoto jogado na água tenha diminuído a quantidade de oxigênio e facilitado a formação de algas. Por dia são despejadas na região da capital e região metropolitana quase 500 toneladas de esgoto e lixo doméstico.

“As pessoas às vezes comem um pãozinho com embrulho e jogam o embrulho em qualquer lugar, daí ele vai descendo, vai para o bueiro, do bueiro vai para o rio”, conta o aposentado José Ruiz Honorato.

E é essa poluição que vai parar nas águas que contaminam os animais. Além da mortandade, o risco de contaminação aos humanos acaba ficando maior. Os especialistas afirmam que é tanto lixo despejado que fica até difícil calcular o prejuízo ao meio ambiente.

Imagem: Reprodução

Com informações do G1

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.