Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

Santa Bárbara d’Oeste: Júri condena serralheiro a 21 anos de prisão por matar namorada estrangulada

Renan Teixeira Passarin ficará em regime fechado. Defesa diz que vai recorrer para tentar reduzir pena. Crime ocorreu em novembro de 2017.

14

O serralheiro Renan Teixeira Passarin foi condenado pelo Tribunal do Júri a 21 anos de prisão em regime fechado por matar a namorada, Adriana Oliveira Silva, estrangulada em Santa Bárbara d’Oeste (SP). O julgamento ocorreu na noite desta quinta-feira (11). A defesa informou que vai recorrer.

A juíza Camilla Marcela Ferrari Arcaro, que presidiu o júri popular, calculou a sentença considerando as quatro qualificadoras do crime apontadas pelo Ministério Público Estadual (MP-SP): por motivo fútil, emprego de asfixia, recurso que dificultou a defesa da vítima e contra a mulher por razões da condição do sexo feminino.

O julgamento começou por volta de 13h no Fórum de Santa Bárbara d’Oeste (SP) e encerrou pouco antes de 20h30. A audiência chegou a ser suspensa porque a viatura que levava Passarin de Tremembé (SP), onde ele estava preso até o julgamento, para o fórum se envolveu em um acidente.

Adriana Oliveira foi morta pelo companheiro em Santa Bárbara — Foto: Reprodução/EPTV

Adriana Oliveira foi morta pelo companheiro em Santa Bárbara — Foto: Reprodução/EPTV

Defesa vai recorrer 

O advogado de Passarin, Daniel José Heleno, afirmou que o recurso vai buscar a redução da pena, já que acredita que a confissão do crime tem que ser considerada para o cálculo. 

Além disso, que Passarin não tem “personalidade voltada para o crime”, o que também tinha que ser levado em conta. O serralheiro permanecerá preso durante o recurso. 

“Não tem porque majorar a pena base porque a personalidade dele não é voltada para o crime. A frieza que a juíza entendeu na verdade é o contrario, ele tentou socorrer ainda a Adriana justamente porque ele estava em um estado de choque por tudo que aconteceu quando ele retomou a consciência. Então a gente vai fazer o recurso nesse sentido”, disse o advogado.

 

Acidente

Após o depoimento das testemunhas, a juíza suspendeu a audiência e informou ao júri que o veículo que levava Passarin se envolveu em um acidente na Rodovia D. Pedro 1 (SP-065).

Renan Passarin prestou depoimento durante julgamento em Santa Bárbara d'Oeste — Foto: Jonatan Morel/EPTV

Renan Passarin prestou depoimento durante julgamento em Santa Bárbara d’Oeste — Foto: Jonatan Morel/EPTV

A viatura foi acertada na traseira após desviar de uma pedra e, com isso, não tinha condições de seguir viagem. Com isso, outro veículo foi enviado para buscar o réu. Ninguém se feriu. 

O serralheiro só chegou no fórum por volta de 16h45. Em seguida, ele prestou depoimento. A acusação e a defesa fizeram a sustentação oral e depois o júri se reuniu.

Vítima foi enforcada duas vezes, diz MP

A vendedora Adriana Oliveira Silva, que tinha 40 anos, foi morta na noite de 24 de novembro de 2017. Segundo a Polícia Militar (PM), o companheiro dela confessou o crime após ser denunciado pelo pai da vítima. A morte ocorreu na casa onde Passarin e Adriana moravam.

A vendedora só foi socorrida na manhã do dia 25. De acordo com apuração da EPTV, o próprio homem decidiu comunicar que a mulher estava ferida. Ela deu entrada no Hospital São Francisco, em Americana (SP), e a unidade de saúde acionou os policiais após constatar o óbito. A corporação foi até lá e verificou que ela tinha sido estrangulada.

O pai de Adriana também foi até a base da Polícia Militar para denunciar o então genro e forneceu a placa do veículo dele para localização. Passarin foi abordado após a denúncia e confessou o crime, segundo a PM, sendo preso em flagrante.

Mulher foi morta dentro de casa em Santa Bárbara d'Oeste — Foto: Cristina Maia/EPTV

Mulher foi morta dentro de casa em Santa Bárbara d’Oeste — Foto: Cristina Maia/EPTV

Ele foi levado para a delegacia de plantão de Santa Bárbara, e durante depoimento, o réu relatou à polícia que a “mulher gastava muito no cartão de crédito” e também admitiu ser usuário de cocaína. 

De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MP-SP), oferecida à Justiça em 11 de dezembro de 2017, Passarin enforcou a mulher uma vez, ela caiu no solo e, quando tentava se levantar, foi novamente agredida pelo homem. Depois de ser estrangulada pela segunda vez, ela não resistiu. 

“Renan se aproximou de sua companheira e, de súbito, segurou o pescoço da vítima com força, enforcando-a. A vítima, ainda com vida, caiu ao solo. Foi então que, visualizando a vítima fragilizada tentando se levantar e, valendo-se de sua superioridade física, o denunciado voltou a enforcá-la, dessa vez provocando seu óbito”, afirmou, na denúncia, o promotor Matheus Bulgarelli de Freitas Guimarães.

Com informações do G1

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

UA-132776669-1