Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

O gesto de dois minutos que ajuda a ganhar autoconfiança

5
As emoções influem em nosso corpo, mas nosso corpo também influi nas nossas emoções

As emoções influem em nosso corpo, mas as últimas pesquisas revelam que nossa postura corporal também influi no que sentimos. O estudo da linguagem não verbal vem de longe. A análise dos gestos serve para identificar quais pensamentos ou sensações se escondem por trás do que dizemos. Por exemplo, se gostamos de algo, nossas pupilas se dilatam (você pode comprovar isso com um amigo, namorado ou cônjuge. Mostre-lhe fotos e observe seus olhos … exercício arriscado dependendo das fotos que você mostrará, claro). Se estamos com alguém que queremos agradar, vamos sorrir muito mais do que o outro (basta ver Trump e sua cara em relação à dos que o rodeiam no Salão Oval). Se estivermos com raiva, vamos franzir a testa e olhar fixamente para o alvo. Estes são exemplos de linguagem não verbal e de como nossas emoções influenciam nossos gestos. Mas o que a ciência demonstrou é que essa relação também é inversa e que há um gesto de apenas dois minutos e meio que ajuda você a ganhar confiança em si mesmo.

Em 2010, foi publicada uma interessante conclusão: Se modificarmos nossa postura corporal por cento e oitenta segundos, poderemos alterar nossa testosterona e cortisol. Nada mal. A testosterona é o hormônio que tanto os homens como as mulheres possuem e que nos faz agir com convicção e ganhar autoconfiança. Não é de estranhar que os machos alfa dos primatas tenham mais porcentual de testosterona que os demais. O cortisol, no entanto, é o hormônio ativado pelo medo e que nos paralisa. Bem, dois pesquisadores, Amy Cuddy e Dana Carley, analisaram como nossa química muda com duas posições simples: a posição de poder ou a posição de fraqueza.

Existem várias posturas clássicas de poder: levantar os braços em uma vitória imitando o gesto de atletas na linha de chegada, colocar as mãos nos quadris ou os braços atrás da cabeça e os pés sobre uma mesa (ou dançar a haka dos neozelandeses, algo que não é tão comum nestas latitudes). A posição de fraqueza é o oposto: encolher o corpo ou fechar os braços em sinal de proteção. Cuddy e Carley analisaram o que acontece conosco quando estamos em ambas as posições por apenas dois minutos e sua conclusão é reveladora: se posicionarmos o nosso corpo com o gesto do poder, conseguiremos um aumento de 20% de testosterona e a redução do cortisol em 25%. No entanto, se colocarmos o corpo em uma posição de fraqueza, a testosterona cai 10% e o cortisol aumenta em 15%. E só com um gesto de dois minutos! Estas conclusões foram testadas em pessoas com medo de falar em público. Pediram-lhes que assumissem uma posição de poder e avaliassem seu efeito. Elas reconheceram alguma melhora na ansiedade.

Em suma, temos a capacidade de influir em nossa química e, portanto, nossas emoções, com gestos simples. Se estamos diante de uma entrevista de emprego, uma reunião difícil ou um exame, convém prestar atenção a nossa posição. E não apenas pelo que transmite aos outros, mas pela química do cérebro que desperta em nós. Por isso, preste atenção na sua coluna e, se perceber que está encolhido, estique-se. Se você puder fazer algum gesto de poder em público de maneira discreta, faça. Ou, se não, vá para um lugar discreto, como um banheiro, e fique nessa posição durante cento e oitenta segundos. Desta forma, você estará dando uma mão para a química do cérebro ganhar confiança e, assim, alcançar seu objetivo. Com informações do El País

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/11/09/actualidad/1541803880_288602.html

Imagem: reprodução/YouTube

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.