Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

Notícias falsas: o que move a imprensa

16
“Os jornalistas, e sobretudo os cronistas, são os maiores mágicos do meu conhecimento. Iludem o público de maneira singular e impingem-lhes, pelo valor de uma assinatura, a mesma novidade que recebem grátis das mãos do respeitável público.”

Por Direceu Magri – A epígrafe, leitor, subtraí-a de Machado de Assis, cronista por excelência, que frequentou a redação dos jornais por mais de quarenta anos. Nela, Machado refere-se à cata de notícias a que todo jornalista, quotidianamente, empenha-se na tentativa de produzir seu grande furo de reportagem. Mas dela também podemos subtrair algo menos romântico – digo romântico porque me vem ao espírito o grande escritor perambulando pela Rua do Ouvidor em conversas com homens do poder, escritores e toda a gente de sua época, a colher notícias para, depois, republicá-las, recheadas de imaginação e pitadas de filosofia, induzindo o leitor àquilo que degustara aos escrevinhá-las, qual seja, a dúvida, ao provar da fruta dentro da casca. Esta, é preciso que se diga, vinha polida com um verniz literário que, mesmo hoje, ido mais de um século, ainda nos dá água na boca.

Bebido o leite romântico, o que sobra é ácido e também amargo. A facilidade com que jornalísticas (e jornais), a serviços de ideologias e incorporações, ludibriam todos os dias leitores desavisados, têm feito da leitura de jornais uma tarefa árdua e cansativa, ato que exige até mesmo do leitor mais experimentado um exercício ad eternum de análise do discurso. Isto, é claro, não deve ser deixado de lado – nunca, mas, tem sido difícil lidar com a malandragem, vá lá, intelectual.

O curioso é que a imprensa, que produz notícias falsas diariamente, induzindo e cooptando leitores aqui e ali, semeia reflexões sobre o assunto. O Estadão publicou recentemente um artigo em que afirma estar os usuários da rede mais treinados a identificar notícias falsas. Não nego, assim como não nego que a imprensa tem-se esmerado em burilar seus textos à procura de uma tournure em que o gato é vendido por lebre com ressaibos de alta reflexão.

Ocorre que o dito artigo sustenta o argumento de que a atenção do leitor para elementos como o otimismo, promessas grandiosas, falta de referências, erros ortográficos etc, tem sido algo eficaz na identificação de uma notícia falsa, provocando sua desconfiança. Vá lá, isto conta, mas é muito pouco! Bons falseadores de notícias como a Globo, a Folha de São Paulo, a UOL e inúmeros outros órgãos da imprensa tradicional fazem isso diariamente e recheiam seus textos com referências, otimismo – e/ou pessimismo, uma vez que tudo depende do lado em que a banca toca. Os erros ortográficos, bem, estes deixaram de ser gralhas há muito tempo, tornaram-se multiculturais, arroz de festa!

A título de exemplo, sugiro que vejam um vídeo publicado no youtube em que um Sr, chamado Luciano Ayan, durante uma entrevista, mostra ao jornalista como a empresa que ele representa produz notícias falsas. A ironia, no caso, reside no fato de que o jornalista produzia uma matéria sobre as fake news.

Voltemos à reportagem do Estadão que destaca o fato de o leitor e/ou usuário de aplicativos recusar-se a compartilhar uma notícia que desconfia seja falsa. Ora, o grande jornal atem-se a toda essa farelagem ora simplória ora maldosa que é repassada via whatsapp, quando o grosso da maledicência é produzida pela imprensa (da qual faz parte) que recebe verbas governamentais, milita por interesses próprios, elege deputados, senadores e presidentes, enfim, que manipula e aliena!

Discute-se ainda que a disseminação de notícias falsas depende mais da sociedade que de instrumentos jurídicos ou ações de repressão. Isto é um fato, j’suis d’accord, mas, vejam, não falo daquele blogueiro que disse o que todo mundo sabe sobre certo candidato à presidência e que, sob a batuta da lei, penalizado, terá seus canais de comunicação retirados da rede, resultado de uma ação na qual candidato, advogado e juiz corroboram o dito de que fazemos parte de uma sociedade essencialmente hipócrita, já que preferimos a mentira à acidez da verdade.

Falo sim dos estratagemas e armadilhas usados pela grande imprensa, soturna e sorrateira, que, em conluio com o poder, induz as pessoas a consumirem e a acreditarem em algo que visa aos seus próprios interesses, ao imobilismo da sociedade e sustenta um sistema em que a maioria dos cidadãos são mantidos reféns de condições miseráveis intelectual e economicamente, tudo em proveito de uma casta de políticos, juristas e poderosos que se julga superior aos demais. Dessa corja toda, a mais nociva talvez seja a imprensa que “ilude o público de maneira singular”!

Imagem: reprodução

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.