Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

MP aponta irregularidades em negócios de Flávio Bolsonaro, diz revista

O então deputado estadual lucrou 3 milhões de reais em transações com suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas

9

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP/RJ) apontou indícios de irregularidades em transações realizadas pelo senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) em processos de compra e venda de imóveis. A informação foi divulgada pela Revista Veja, na noite desta quarta-feira (15). ”. No período, ele teria investido 9,425 milhões de reais na compra de 19 imóveis, entre salas e apartamentos.

Ainda de acordo com a reportagem de Veja, de acordo com os promotores, entre 2010 e 2017, o então deputado estadual lucrou 3,089 milhões de reais em transações com “suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas.

A revista apurou ainda que o MP afirma que a suposta fraude pode ter ocorrido para “simular ganhos de capital fictícios” que encobririam “o enriquecimento ilícito decorrente dos desvios de recursos” da Assembleia Legislativa do Rio. A quebra de sigilo foi concedida pelo juiz da 27º Vara Criminal do Rio, Flávio Itabaiana Nicolau.
No último dia 13, a Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) autorizou a quebra de sigilo bancário do senador e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio passou a ser investigado após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificar movimentação financeira considerada atípica na conta corrente de Queiroz.
O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo. O relatório do Coaf apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta do ex-asssessor – entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.
Outros 88 funcionários ou ex-funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro, da época em que ele era deputado estadual no Rio de Janeiro, também terão seus dados bancários analisados. Entre eles estão Danielle Nóbrega e Raimunda Magalhães, irmã e mãe do ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado como um dos líderes do Escritório do Crime, uma das principais milícias do Rio. Com informações do Estado de Minas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

UA-132776669-1