Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

Caso Daniel: delegado conclui inquérito e chama Juninho de ‘psicopata’

22
Edison Brittes, conhecido como Juninho, confessou ter assassinado o jogador de futebol Daniel Corrêa, em outubro

delegado Amadeu Trevisan afirmou nesta quarta-feira (21) que Edison Brittes, conhecido como Juninho, é um “psicopata” e um “inconsequente”. Juninho confessou ter assassinado o jogador de futebol Daniel Corrêa, em outubro.

Em entrevista coletiva no fórum criminal de São José dos Pinhais, Trevisan disse que concluiu o inquérito de 370 páginas sobre a morte do jogador e indiciou Juninho por homicídio qualificado, junto com outros três suspeitos, conforme a polícia havia antecipado na noite de terça. Outras três pessoas que estavam na casa em que Daniel morreu também foram indiciadas, mas por outros crimes.

+ Caso Daniel: filha de suspeito cita nova ‘festinha’ um dia após morte

Ao ser questionado sobre como definiria Edison Brittes, o delegado foi taxativo: “Psicopata. Ele é doente. Agir com essa ausência de remorso, essa frieza. Ele mata, pede que limpe a casa e ainda pede para fazerem comida. Ele consegue se alimentar mesmo depois de tudo”, afirmou Trevisan, que entregou o relatório de seu inquérito ao Ministério Público, que já prometeu oferecer a denúncia à Justiça até a próxima sexta-feira.

Juninho está preso e deve ter sua prisão temporária prorrogada a pedido da promotoria. Cristiana Brittes teve a prisão domiciliar negada pela Justiça na última semana.

“Ele é um criminoso que acredita na impunidade. Ele é inconsequente”, disse o delegado. “Quem pratica um crime assim no meio de tantas pessoas para se mostrar e mostrar que era o bom? Ele é um homem perigoso e deve permanecer preso. Em liberdade ele representa risco para as testemunhas.”

Trevisan afirmou que não achou necessário esperar o resultado dos laudos técnicos, que devem ficar prontos na quinta-feira, para concluir seu inquérito. “Temos autoria e materialidade. O laudo vem para robustecer o que temos. Não há necessidade do inquérito permanecer na delegacia. Ele será mais importante agora a partir de amanhã (quinta-feira) no oferecimento da denúncia”, afirmou ele.

SENTENÇA DE MORTE

Mesmo sem ter produzido provas além dos depoimentos dos suspeitos e de outras testemunhas, o delegado Trevisan descreveu com detalhes os momentos que precederam a morte de Daniel.

“Ele morreu aos poucos. Ele começa apanhando no quarto, onde o Edison é ajudado pelos demais. Ele apanha na calçada. Estamos falando de tortura, porque ele se afoga no próprio sangue. Ele não morre no carro, ele chega vivo à Colônia Mergulhão. Deve ser difícil a pessoa ouvir a própria sentença de morte. O Daniel ouviu. Quando colocaram ele no veículo o Edison disse que ia capar e dar um fim nele”, disse Trevisan.

Mais cedo, o promotor João Milton Salles havia pedido que o processo corresse em segredo de Justiça. Convencido da autoria do crime por parte de Edison Brittes, o membro do Ministério Público afirmou que deve oferecer a denúncia até sexta-feira.

LAUDOS

O promotor do caso João Milton Salles afirmou que os laudos periciais do IML serão essenciais para a denúncia do Ministério Público. Ele afirmou que serão esses laudos que provarão o momento que Daniel morreu e derrubará contradições em depoimentos.

“Os laudos periciais são importantíssimos. O laudo que vai dar série de comprovações de fatos que muitos deles apurados. O laudo é comprovação técnica daquilo, por exemplo qual das lesões ocasionou a morte, em que momento houve a morte. O laudo é peça fundamental mais do que para a denúncia, para o processo. Contestar depoimento é uma coisa, laudos é outra coisa e pela gravida do crime eu acredito que os laudos serão elucidadores”, disse o promotor.

“É difícil dizer que os 7 serão denunciados. Agora será feita a analise do conjunto das provas. A montagem do quebra-cabeça e finalização, para ver realmente o que aconteceu, vai ser feita a análise do inquérito todo”, completou.

INDICIADOS PELA POLÍCIA

Edison Brittes – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

Eduardo da Silva – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

Ygor King – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

David Willian da Silva – homicídio qualificado e ocultação de cadáver;

Cristiana Brittes – coação de testemunha e fraude processual;

Allana Brittes – coação de testemunha e fraude processual;

Eduardo Purkote – lesões graves.

Em nota, o advogado da família Brittes, Cláudio Dalledone Júnior, afirmou que “o indiciamento destoa dos fatos”. “A defesa técnica de Edison Brittes Júnior, Cristiana Rodrigues Brittes e Alana Brittes vem a público esclarecer que: diante da conclusão do inquérito policial que investiga a morte do jogador Daniel Corrêa Freitas, o indiciamento de Alana e Cristiana destoa dos fatos ocorridos e tudo ficará provado. A defesa diz ainda que Edison Brittes irá justificar sua conduta em Juízo”. Com informações da Folhapress e Notícias Ao Minuto.

Imagem: reprodução

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.