Z1 Portal de Notícias
Site de notícias de indaiatuba e região.

Após ficar sem apoio, Ciro fala em rasteira e punhalada pelas costas

6
Presidenciável atacou a “confrontação amesquinhada” do PT e PSDB que, desde a disputa presidencial de 1994, polarizam a corrida ao Palácio do Planalto

Com tom de desabafo, o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, criticou nesta segunda-feira (6) o PT e o PSDB e acusou as estruturas políticas tradicionais de darem “rasteira” e “punhalada pelas costas”.

Em anúncio da senadora Kátia Abreu como sua candidata a vice-presidente, ele atacou a “confrontação amesquinhada” dos dois partidos que, desde a disputa presidencial de 1994, polarizam a corrida ao Palácio do Planalto.

“É só fuxico, é só tratativa de gabinete, é só conchavo, é só rasteira, é só punhalada pelas costas. Porque a base moral da falta de escrúpulo na política é a mesma base moral de quem tem falta de escrúpulo diante do dinheiro publico”, disse.

No mês passado, após semanas de negociações, os partidos do chamado centrão desistiram de apoiar o presidenciável para anunciar aliança com Geraldo Alckmin, do PSDB.

Se Lula for mantido candidato, PT deve trocar Haddad por Manuela

Em uma articulação conduzida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PSB, que estava prestes a fechar com o PDT, decidiu no domingo (5) ficar neutro na disputa presidencial.

Para Ciro, é curioso que as estruturas tradicionais de poder não estejam apoiando os candidatos à sucessão de Michel Temer mais bem colocados nas pesquisas de intenções de voto, como Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede) e ele.

“É muito curioso que, neste momento, um candidato elegível, que está à frente nas pesquisas, está sozinho. O segundo lugar também está sozinho. E o terceiro a mesma coisa. Você vai encontrar lá no final as estruturas todas ao redor de uma confrontação que tem feito muito mal ao Brasil. Essa confrontação amesquinhada do PT e do PSDB”, disse.

Para ele, parece que as estruturas tradicionais “não aprenderam nada” e desrespeitam de forma acintosa “a mínima regra de palavra dada é para ser cumprida”. Segundo ele, elas fazem jogadas dentro de gabinetes, sem incluir a população.

“Estão jogando cartas e excluindo da população candidaturas como a de Marília Arraes, em Pernambuco, e Marcio Lacerda, em Minas Gerais. Dois anos depois que as pessoas, estimuladas pelos seus partidos, foram se preparando”, ressaltou.

Em um acordo entre PT e PSB, as duas candidaturas ao governo estadual foram rifadas pelas cúpulas nacionais das siglas, o que gerou protestos e reações nos diretórios regionais.

“Se eu não tenho escrúpulo para te dar minha palavra e cumprir, por que, diante de uma montanha de dinheiro difusamente pertencente ao povo, eu vou deixar de roubar? Isso é o que está na base do apodrecimento e isso é um fim de ciclo que vamos apontar para o povo”, afirmou.

Criticado pela verborragia, Ciro disse que agora tem evitado usar “palavra mais azeda” ao criticar o estabelecimento de taxas de juros por instituições financeiras. Ele já foi alertado pelo irmão, Cid Gomes, a usar menos palavrões em discurso públicos.

“É preciso entrar forte para combater esse cartel e fazer a taxa de juros se acomodar a um mínimo de compostura, que não é mais irracionalidade econômica, é falta de compostura, para não dizer uma palavra mais azeda, porque agora eu sou o futuro presidente do Brasil, não sou mais um particular”, disse.

Em seu primeiro pronunciamento oficial desde a sua confirmação na chapa presidencial, Kátia Abreu disse que o desafio será talvez o maior de sua vida.

Ela disse que antes mesmo de mudar do MDB para o PDT já tinha escolhido Ciro como seu candidato a presidente e afirmou que será uma vice-presidente disciplinada, como Marco Maciel. Ele ocupou o posto durante os dois mandatos de Fernando Henrique Cardoso.

“Nós gostaríamos de ter alianças com outros partidos, mas não foi possível e eu não fujo a luta”, disse. “Faremos uma campanha sem atacar as pessoas, sem ficar procurando a vida pregressa”, garantiu. Com informações da Folhapress e Notícias Ao Minuto.

Imagem de capa:Reuters / Adriano Machado

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.