Comportamento Z1

Os rituais da supersecreta maçonaria feminina

Redação
Escrito por: Redação

Maçonarias femininas existem há mais de cem anos – e conduzem iniciações, cerimônias e rituais, assim como as masculinas. O programa da BBC Victoria Derbyshire teve acesso único a essas sociedades supersecretas no Reino Unido:

“O que é maçonaria?”, pergunta uma mestre da Fraternidade Honorária dos Antigos Maçons.

“Um sistema peculiar de moralidade baseado em alegorias e ilustrado por símbolos”, responde Dialazaza Nkela.

Ela está participando de uma cerimônia para alcançar o “segundo grau” e celebra sua ascensão dentro da sociedade.

O “primeiro grau” marcou a iniciação de Nkela no grupo, o que incluiu que expusesse seu braço direito, peito esquerdo e joelho, enquanto um laço era amarrado ao redor do pescoço.

Cada um desses elementos, dizem, tem um significado simbólico – embora os integrantes do grupo não revelem à reportagem quais são eles.

O “terceiro grau” é quando você “experimenta a morte para renascer”, representando o “final de uma vida e começo de outra”.

O que isso significa, na prática, também não é explicado. Mas já é uma amostra de como funciona uma sociedade secreta.

Dialazaza Nkela em etapa necessária para subir na hierarquia maçom
Image captionEm cerimônia, Dialazaza é questionada pela mestre maçon sobre por que a maçonaria é importante para ela

Vestes brancas e enfeites no pescoço

Muitas pessoas talvez nem saibam que a maçonaria feminina existe.

A maçonaria masculina – que começou se reunir oficialmente há 300 anos – sempre recebeu atenção maior. No Reino Unido, ela é liderada pelo duque de Kent, integrante da família real.

Mas nas duas sociedades femininas – a Fraternidade Honorária dos Antigos Maçons e a Ordem das Mulheres Maçons, que se dividiram no início do século 20 – existem quase 5 mil integrantes.

Fraternidade Honorária de Antigos Maçons
Image captionA Fraternidade Honorária de Antigos Maçons se reúne em salas como esta

A segunda se reúne regularmente em pousadas e templos pelo Reino Unido.

Durante as cerimônias, as mulheres usam vestes brancas, com enfeites ao redor do pescoço para representar seu lugar na hierarquia da ordem.

O serviço a que a BBC teve acesso começa com uma procissão pelo corredor central.

Membros da organização se curvam em reverência quando chegam à frente, onde a mestre Zuzanka Penn está sentada numa poltrona grande, que mais se parece com um trono.

Orações são feitas durante as cerimônias. Às vezes, parece se tratar de um grupo religioso, embora Penn faça estão de destacar que não é o caso.

“Para ser um maçom, você deve acreditar num ser supremo”, ela diz, mas pode ser de “qualquer tipo de fé”.

“Nós temos pessoas bem religiosas e pessoas que não são, mas de toda raça e de toda a fé”, afirma.

Ordem de Mulheres Maçons
Image captionMaçons usam faixas e colares para especifiar sua posição na hierarquia

Procura-se jovens

A maioria das mulheres nessas sociedades têm 50 anos ou mais – algo que elas estão ansiosas para mudar.

Para recrutar membros jovens, os grupos de maçonaria femininos focam em feiras de calouros nas universidades.

A oftalmologista Roshni Patel, cuja foto abre esta reportagem, está numa cerimônia que marca sua chegada à posição de mestre maçom.

Ela se juntou à ordem de maçonaria feminina há sete anos. A BBC não é autorizada a participar, mas é informada de que Patel recebeu a “honra” de se sentar na poltrona que se assemelha a um trono.

“Todo o processo de ser posicionada na poltrona foi muito emocionante”, diz ela, ao deixar a cerimônia.

Perguntada sobre o sentimento de se tornar uma mestre maçom, Patel diz: “Estou em estou em choque”.

O maior obstáculo no recrutamento maçom talvez seja a reputação de confidencialidade, a associação com corrupção e a ideia de favoritismo entre os membros, com a finalidade de ajudar uns aos outros a subir nas carreiras profissionais.

Zuzanka Penn
Image captionA grande mestre Zuzanka Penn alcançou o topo da hierarquia na Ordem de Mulheres Maçons, no Reino Unido

Mas não é algo que Penn admita existir.

“Eu faço parte da maçonaria há mais de 40 anos e nunca recebi uma oferta de favor ou ofereci um favor a qualquer pessoa.”

“Você houve histórias, mas nunca presenciei isso na maçonaria.”

Christine Chapman
Image captionChristine Chapman diz que o mistério é o que torna a marçonaria especial

Em 1997, o então ministro de Assuntos Internos do Reino Unido, Jack Straw, pediu a funcionários e juízes que dessem depoimentos voluntários sobre suas ligações com a maçonaria – o plano acabou interrompido após os maçons ameaçarem levar o governo aos tribunais.

Christine Chapman, grande mestre da Fraternidade Honorária de Maçons Antigos, diz que jamais presenciou alguém recebendo favores, embora a maçonaria tenha policiais entre seus membros.

Mas já houve denúncias de que a sociedade estava ligada à corrupção na polícia e no Judiciário. As regras maçons exigem que os membros se apoiem e guardem os segredos uns dos outros, o que tem levado a esses temores.

Chapman afirma, porém, que os sigilos que envolvem a maçonaria servem para criar fascínio e mistério, não para esconder “algo sinistro”.

“Não estamos tentando dominar o mundo, apesar de todas essas teorias da conspiração na internet. E nós não estamos tentando derrubar o governo, nem nada disso,” diz ela.

“Nós temos que preservar o segredo somente porque é o que faz (a maçonaria) especial.”

Um dos mais famosos aspectos dessas sociedades sempre foi o apertar de mãos “maçônico”- que também existe nas organizações femininas.

“Sim, claro que temos (aperto de mão)”, diz Penn, se recusando a demonstrar o cumprimento.

“É um segredo. Você vai ter que se juntar a nós e, então, eu te conto tudo sobre ele”, acrescenta, sorrindo. Com informações da BBC

Imagem de capa:Roshni Patel se tornou mestre maçom

Sobre o autor

Redação

Redação

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: