Futebol Brasil

Modesto comenta demissão de Levir Culpi, e descarta efetivar Elano

Redação
Escrito por: Redação

Diante da demissão de Levir Culpi no sábado, após a derrota por 2 a 1 no clássico contra o São Paulo, no Pacaembu, o presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, afirmou ter desligado o treinador “na hora certa” e ainda descartou uma possível efetivação de Elano no próximo ano, em entrevista neste domingo.

“Eu não me arrependo e acho que as coisas têm que chegar e ter uma maturação. Foi feita essa maturação. A questão não é resultado, é toda uma contingência que leva a isso. O momento para a demissão era esse. Algumas pessoas acharam que era antes, como isso é recorrente no futebol”, disse em entrevista ao Fox Sports.

Questionado sobre a forma com que se deu o desligamento do técnico, horas depois do San-São, o mandatário garantiu ter agido de maneira racional: “A decisão é um conjunto de situações, e a gente tem que analisar tudo quando tem que tomar uma decisão. A decisão não é emocional. Ela é baseada em fatos. Conversei com o Levir depois do jogo e entendemos que era um momento de encerrar o ciclo”, explicou.

Com a saída do experiente treinador de 64 anos, abre-se uma ‘brecha’ para Elano, que comandará o Peixe nos sete jogos finais do Campeonato Brasileiro. O ex-atleta terá sua comissão técnica formada com dois auxiliares também do clube: Marcelo Fernandes e Serginho Chulapa.

Apesar de já ter revelado publicamente a vontade de tornar-se treinador de futebol, Elano terá de esperar – ao menos busque pelo desafio em outro clube. Isso porque, durante a entrevista, Modesto ainda disse que ele participará da montagem da equipe para o próximo ano, mas não será efetivado até por estar tirando todas as licenças que serão obrigatórias a partir de 2019.

“O Elano vai assumir a responsabilidade até o final do ano. O planejamento de 2018 está mantido. Neste momento, o grupo está bem servido com o Elano. Na comissão técnica ele fica, 2018 é o ano que ele vai fazer a formação dele, tirar todas as licenças que passam a ser obrigatórias em 2019”, assegurou.

Elano comandou o Alvinegro Praiano somente em duas oportunidades, neste Brasileirão, quando a direção optou por demitir Dorival Júnior. À época, o ex-meia demonstrou personalidade, fez algumas alterações a gosto e conquistou duas vitórias em dois jogos: venceu o Botafogo por 1 a 0 no Pacaembu e bateu o Atlético-PR por 2 a 0 em plena Arena da Baixada.

Vale lembrar que pouco se fala sobre possíveis substitutos de Levir Culpi porque o Santos está em período eleitoral. Com a votação para se conhecer o presidente para os próximos três anos marcada para o dia 9 de dezembro, é bem provável que esta incumbência seja destinada ao novo dirigente.

Além da tentativa de reeleição de Modesto, os candidatos à presidência do Santos em 2014, José Carlos Peres e Orlando Rollo, uniram-se e serão uma opção. Andres Rueda Garcia é o outro candidato de oposição. Com informações da Gazeta Esportiva.

Imagem de capa:Elano comandou o Santos pela última vez contra o Atlético-PR, em junho, pela sexta rodada do Brasileirão (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)

Sobre o autor

Redação

Redação

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: