Os manifestantes gritaram frases nacionalistas e em defesa da mesquita de Al Aqsa, situada na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha de Jerusalém, território palestino ocupado sobre o qual Israel estendeu em 1980 uma soberania que até agora não foi reconhecida por nenhum país.

Além disso, homens, mulheres e crianças reunidos na praça do Monumento aos Soldados Caídos com bandeiras palestinas e do movimento dos Comitês de Resistência Popular, queimaram várias bandeiras israelenses e americanas.

As facções palestinas declararam três dias de ira a partir de hoje e o Hamas convocou uma jornada de violência para a próxima sexta-feira, por isso há o temor por distúrbios em Jerusalém, na Cisjordânia e na fronteira com Gaza.

O Consulado Geral dos EUA em Jerusalém emitiu ontem uma advertência de segurança que pede aos seus cidadãos que não entrem na Cidade Velha nem na Cisjordânia (incluindo Belém e Jericó) e restringiu as transferências de seus funcionários a essas zonas “só para questões essenciais e com medidas adicionais de segurança”.