Z1 Cidades

Campinas: Viracopos atrai interesse de russos

Escrito por: Rogerio Azevedo
Depois dos chineses, agora são os russos que manifestam interesse em comprar o Aeroporto Internacional de Viracopos. O fundo russo VTB Capital, que faz parte da estatal VTB Group e tem participação na NCG, que opera o aeroporto de São Petesburgo, já teria assinado um contrato de confidencialidade com o governo federal.
A Aeroportos Brasil Viracopos (ABV), que anunciou a devolução do aeroporto ao governo em julho, não comenta o assunto porque espera a regulamentação da lei de relicitações, onde serão definidas indenizações, multas e pagando da outorga.
A regulamentação deveria ter saído na semana passada. Procurada ontem, a Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) informou não há uma data para a publicação, porque os termos ainda estão sendo finalizados com todos os órgãos envolvidos.
A chinesa HNA, que comprou a parte da Odebrecht Transporte no Aeroporto do Galeão, no Rio, já manifestou interesse em se associar a ABV adquirindo uma fatia das ações, como ocorreu no aeroporto carioca. Lá, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aceitou o pedido do consórcio de reprogramar os pagamentos anuais de outorga, depois de quitar a parcela pendente de R$ 971 milhões, a concessionária antecipará o pagamento de R$ 1,9 bilhão em duas parcelas, em dezembro de 2017 e junho de 2018.
Em troca, ganhará um período de carência de 2019 a 2022. Em 2023, os pagamentos devem ser retomados. Foi o primeiro caso de renegociação dos contratos de concessão de aeroportos desde que foi editada a medida provisória que fixa os parâmetros para a celebração de aditivos aos contratos de outorgas do setor.
Para Viracopos, no entanto, essa solução não é viável, por causa da exigência de antecipação de outorga. A crise que levou a frustração de receitas, tem impedido as concessionárias de sanar a dívida que tem de outorga e sobrar margem para adiantar pagamentos. Se não fosse isso, a ABV teria interesse em reperfilar a outorga.
A adesão poderá ocorrer se um novo grupo se associar à Aeroportos Brasil Viracopos, como ocorreu no Galeão. Esse grupo anteciparia o pagamento das outorgas.
Viracopos anunciou que devolverá a concessão em função das dívidas e da frustração de receitas causadas pela queda do movimento do aeroporto. Os estudos do governo que embasaram a concessão apontaram que, em 2016, Viracopos teria 17,9 milhões de passageiros, mas no ano passado recebeu 9,3 milhões, uma frustração de 52% na demanda projetada. Com o faturamento com cargas, que representa 60% da receita do aeroporto, a frustração também foi grande, com uma queda de 60%.
Imagem: Reprodução
Com informações do Correio Popular

Sobre o autor

Rogerio Azevedo

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: