LGBTS

A cada 48 horas, uma pessoa trans ou travesti é assassinada no Brasil

Redação
Escrito por: Redação
A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) indica que 45% dos assassinatos de LGBT+ são de pessoas trans; em 2017, foram 179 casos

De acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), o Brasil se mantém como o país em que mais pessoas trans e travestis foram assassinadas em 2017. Segundo o levantamento da instituição, no ano passado, foram contabilizados 179 casos espalhados por todos os estados do país.

Leia também: Defensoria Pública do Estado de SP denuncia Ratinho após declarações homofóbicas

De acordo com dados da Antra, o Brasil liderou ranking de assassinatos a pessoas trans e travestis em 2017
Reprodução/ANTRA

De acordo com dados da Antra, o Brasil liderou ranking de assassinatos a pessoas trans e travestis em 2017

A Associação ainda indica que pelo menos 45% dos assassinatos de LGBT+ são de pessoas trans . Em comparação com outras pessoas, essa parcela da população brasileira tem nove vezes mais chances de ser morta, 80% dos assassinos não têm ligação com a vítima e 95% destes assassinatos apresentam requintes de crueldade.

Além disso, dados do Grupo Gay da Bahia (GGB) revelam que a cada 48 horas uma travesti ou transexual é assassinada no Brasil, o que diminui a expectativa de vida dessas pessoas de cerca de 80 anos de idade para apenas 35.

Mapa dos assassinatos

Entre os estados brasileiros, Minas Gerais lidera a lista, com 20 mortes. Em segundo lugar está a Bahia, com 17 casos e, em seguida, São Paulo, com 16. Além de compilar os dados, a Antra também elaborou um mapa dos casos de assassinatos de travestis, mulheres e homens  transexuais em cada uma das regiões com o objetivo de facilitar a visibilidade da situação de violência a que transexuais e travestis estamos expostos no país. Confira abaixo:

Leia também: Casal gay diz ter sido expulso de carro por motorista de Uber após beijo

Reincidência

Em novembro de 2017, a Transgender Europe (TGEU) – organização internacional de defesa de pessoas transgênero – também divulgou dados sobre os assassinatos na  população trans ao redor do mundo. A pesquisa Trans Murder Monitoring (TMM) indicou a mesma realidade: o Brasil é líder no ranking de assassinatos a pessoas trans .

O relatório apontou um total de 325 casos de assassinatos de pessoas trans entre 1º de outubro de 2016 e 30 de setembro de 2017, um aumento de 30 casos em comparação de um ano para o outro. O Brasil, segundo tal relatório, foi o país que mais registrou assassinatos, com 171 casos. Em seguida aparecia o México, com 56, e os Estados Unidos, com 25.

Imagem de capa:Reprodução

Fonte: iGay – iG @ http://igay.ig.com.br/2018-01-09/assassinato-trans.html

 

Sobre o autor

Redação

Redação

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: